São Vicente Pallotti

O Fundador

Nasceu em Roma-  Itália, aos 21 de abril de 1795. Filho de Pedro Paulo Pallotti e Maria Madalena de Rossi.

 

Tinha como dom, uma grande sensibilidade em relação ao SER Divino (Deus) e ao Ser humano, o próximo. Esse dom, Vicente Pallotti cultivou ao longo de sua vida e vamos perceber, por isso, que em seu coração foi sempre mais despertando o amor ao próximo, traduzido em solidariedade e caridade. Com profunda confiança em Deus, singular criatividade, esforço e dedicação, trabalhou incansavelmente na formação e educação, esmerando-se muito para resgatar a dignidade da pessoa humana na sua totalidade.

Em 1818 foi ordenado sacerdote colocando-se totalmente ao serviço do povo de Roma. Foi incansável em sua dedicação a todos os que encontrava. Distinguiu-se muito no atendimento do povo no Sacramento da penitência, no aconselhamento e em todas as obras de misericórdia corporais e espirituais.

A partir de sua grande sensibilidade e profunda vivência espiritual foi percebendo sempre mais a necessidade do povo e refletia qual seria a melhor maneira de ajudar a todos no crescimento humano e espiritual.  

Teve então a inspiração de convidar alguns cristãos mais conscientes para ajudá-lo nesta missão. A partir dali a inspiração o levou a fundar uma Obra – a União do Apostolado Católico – UAC. Essa Obra, no seu início era composta de alguns sacerdotes e leigos voluntários e empenhados na ação caritativa em sanar as necessidades fundamentais do povo pobre de Roma.

Em 1838 foi iniciada uma obra de ajuda ás meninas órfãs e abandonadas pelas ruas da cidade. Para tal finalidade convidou e escolheu mulheres bem preparadas para assistir, educar civil e cristãmente essas meninas. Surge aqui a Obra da “Pia Casa de Caridade” É deste berço que nasceu a Congregação da Irmãs do Apostolado Católico (Palotinas).

Na Obra da União do Apostolado Católico (UAC) pertencem os Padres palotinos, Irmãos consagrados, Irmãs e leigos/as comprometidos com a evangelização e educação integral da pessoa.

 

Finalidade dos participantes da Obra da União (UAC):

• Despertar a consciência apostólica em todos os batizados; ser e formar apóstolos (líderes cristãos) para o crescimento do Reino de Deus. 

• Suscitar vida nova em todas as obras já existentes na Igreja.

• Ser uma presença geradora de unidade na Igreja e na sociedade.

• Ajudar todas as pessoas á unidade da fé em Jesus Cristo “para que haja um só rebanho sob um só Pastor”.

Como decorrência do preceito do amor a Deus e ao próximo que o impulsionava, aparece sua grande preocupação e empenho numa atitude de incansável dedicação em ajudar a promover as pessoas em todos os seus aspectos – humano e espiritual.

O Padre Vicente Pallotti faleceu em Roma, no dia 22 de janeiro de 1850 e, no dia 22 de janeiro de 1950 foi realizada sua beatificação. Foi canonizado no ano de 1963 pelo Papa S. João XXIII, dentro do Concílio Vaticano segundo.

 

O Carisma

Ser e formar apóstolos para reavivar a fé e reacender a caridade entre os cristãos e propagá-las em todo o mundo.

 

A Padroeira da Obra da União do Apostolado Católico é Maria sob o título de “Rainha dos Apóstolos”.

Maria aparece rodeada pelos discípulos no Cenáculo onde os gestos falam mais do que as palavras. Ela recolhe as intenções dos corações, enxuga-lhes as lágrimas, consola-os em seus desalentos e sabe reconhecer a fé que ainda possuem para o impulso e início de uma nova caminhada. Maria no Cenáculo é aquela que lembra a todos, as Palavras e gestos de Jesus Cristo, fundamental na caminhada da fé de todos os cristãos.

Ela prepara os corações dos discípulos para receberem o Espírito Santo prometido por Jesus, o enviado do Pai. É o grande momento do Pentecostes, após o qual, os discípulos saem com a alegria e a fortaleza para levar o Evangelho pelo mundo inteiro.

S. Vicente Pallotti escolheu e colocou Maria sob o título de “Rainha dos apóstolos” como Padroeira de toda a sua Fundação.
Ele desejava amá-la de todo o coração e tê-La como modelo na propagação da fé e do amor ao próximo. Expressou o desejo também que a vida de todos os participantes da União fosse pautada pela imitação da vida de Cristo, o Apóstolo do Pai e de Maria, Rainha dos apóstolos.
Nosso Fundador nos deixou o Cenáculo como expressão da sua visão de Igreja e de missão apostólica e evangelizadora na sociedade.